Lenda de Oxumaré


Oxumaré era, antigamente, um adivinho (babalaô).O adivinho do rei Oni.
Sua única ocupação era ir ao palácio real no dia do segredo; dia que dá início à semana, de quatro dias, dos iorubas.
O rei Oni não era um rei generoso.
Ele dava apenas, a cada semana, uma quantia irrisória a Oxumaré que, por essa razão vivia na miséria com sua família.
O pai de Oxumaré tinha um belo apelido.
Chamavam-no “o proprietário do chale de cores brilhantes”.
Mas tal como seu filho, ele não tinha poder.
As pessoas da cidade não o respeitavam.
Oxumaré, magoado por esta triste situação, consultou Ifá, “como tornar-me rico, respeitado, conhecido e admirado por todos?
Ifá o aconselhou a fazer oferendas, disse-lhe “que oferecesse uma faca de bronze, quatro pombos e quatro sacos de búzios da costa.”
No momento que Oxumaré fazia estas oferendas, o rei mandou chamá-lo, Oxumaré respondeu: “Pois não, chegarei tão logo tenha terminado a cerimônia.”
O rei, irritado pela espera, humilhou Oxumaré, recriminou-o e negligenciou, até, a remessa de seus pagamentos habituais.
Entretanto, voltando à sua casa, Oxumaré recebeu um recado: Olokum, a rainha de um país vizinho, desejava consultá-lo a respeito de seu filho que estava doente.
Ele não podia manter-se de pé.
Caía, rolava no chão e queimava-se nas cinzas do fogareiro.
Oxumaré dirigiu-se à corte da rainha Olokum e consultou Ifá para ela.
Todas as doenças da criança foram curadas. Olokum, encantada por este resultado, recompensou Oxumaré.
Ela ofereceu-lhe uma roupa azul, feita de rico tecido.
Ela deu-lhe muitas riquezas, servidores e um cavalo, sobre o qual Oxumaré retornou à sua casa em grande estilo.
Um escravo fazia rodopiar um guarda sol sobre sua cabeça e músicos cantavam seus louvores.
Oxumaré foi, assim, saudar o rei. O rei Oni ficou surpreso e disse-lhe: “Oh! De onde vieste? De onde saíram todas estas riquezas?” Oxumaré respondeu-lhe que a rainha Olokum o havia consultado.
“Ah! Foi então Olokum que fez tudo isto por você!” Estimulado pela rivalidade, o rei Oni ofereceu a Oxumaré uma roupa do mais belo vermelho, acompanhada de muitos outros presentes.
Oxumaré tornou-se, assim, rico e respeitado. Oxumaré, entretanto, não era amigo de Chuva.
Quando Chuva reunia as nuvens, Oxumaré agitava sua faca de bronze e a apontava em direção ao céu, como se riscasse de um lado a outro.
O arco-íris aparecia e Chuva fugia.
Todos gritavam: “Oxumaré apareceu!” Oxumaré tornou-se, assim, muito célebre.
Nesta época, Olodumaré, o deus supremo, aquele que estende a esteira real em casa e caminha na chuva, começou a sofrer da vista e nada mais enxergava.
Ele mandou chamar Oxumaré e o mal dos seus olhos foram curados.
Depois disso, Olodumaré não deixou mais que Oxumaré retornasse a Terra.
Desde esse dia, é no céu que ele mora e só tem permissão para visitar a Terra a cada três anos.
É “durante estes anos que as pessoas tornam-se ricas e prósperas.”
(Do livro “Lendas Africanas dos Orixás de Pierre Fatumbi Verger e Carybé – Editora Currupio)