Ewá se desilude com Xangô e abandona o mundo dos vivos


                                                                          
Ewá filha de Obatalá, viva enclausurada em seu palácio.O amor de Obatalá por ela era possessivo.
A fama de sua beleza chagava a toda parte, inclusive aos ouvidos de Xangô.
Mulherengo como era, Xangô planejou seduzir Ewá.
Empregou-se no palácio para cuidar dos jardins.
Um dia Ewá apareceu na janela e deslumbrou-se com o jardineiro.
Ewá nunca vira um homem assim tão fascinante.
Xangô deu muitos presentes a Ewá.
Deu-lhe uma cabaça enfeitada com búzios, com uma obra por fora e mil mistérios por dentro, um pequeno mundo de segredos, um adô.
E Ewá entregou-se a Xangô.
Ele fez Ewá muito infeliz até que ela renegou sua paixão.
Decidiu se retirar do mundo dos vivos e pediu ao pai que a enviasse a um lugar distante, onde homem algum pudesse vê-la novamente.
Obatalá deu então a Ewá o reino dos mortos, que os vivos temem e evitam.
Desde então é ela quem domina o cemitério.
Ali ela entrega a Oyá os cadáveres dos humanos, os mortos que Obaluaê conduz a orixá Oco, e que orixá Oco devora para que voltem novamente à terra, terra de Nanã de que foram um dia feitos.
Ninguém incomoda Ewá no cemitério.
Lenda tirada do livro
Mitologia dos Orixás – Reginaldo Prandi – 2001