Começando as Explicações


                                                                            

A história do cristal tem muitas versões e numerosos autores. Lendas e folclore datam dos primórdios da raça humana. Uns acreditavam que as forças do cristal regulavam o campo eletromagnético da Terra para que espíritos humanos pudessem encarnar. Lendas do antigo continente da Atlântida nos dão conta de que os cristais geravam energia para cidades inteiras e o abuso na utilização de tais energias resultou na eventual destruição final daquela civilização.

A busca por explicações, por comprovações históricas do que se passa de boca em boca ao longo dos tempos por anciões, profundos conhecedores da sabedoria das pedras, esbarra nas contradições e também no apelo pessoal de cada escritor ou de cada contador de histórias, afinal cada um escreve da forma como aprendeu, como conhece e acredita. Isso tudo baseado em quem ensinou, levando também em conta a cultura do povo.

As experiências com cristais são impares e depende unicamente da sensibilidade e sutileza de espírito de quem as manuseia. Dessa forma posso dizer que cada um que tocar e sentir um cristal poderá traduzi-lo de forma amplamente diferente de outra pessoa. Sem levar ao pé da letra a questão: certo e errado. E sim intuição e sentimento. Muitas civilizações, culturas e povos têm usado cristais e pedras com inúmeras finalidades – desde cura e proteção até as mais poderosas iniciações. A verdade é que as pedras, de maneira geral, sempre fascinaram a humanidade. Busco na literatura relatos da utilização dos cristais, mas tudo que encontro é superficial e pouco significativo no contexto de estudo. O conhecimento mágico acerca dos cristais começa a aparecer na cultura indígena, mas diretamente ligadas aos Xamãs norte-americanos, e novamente são superficiais, uma vez que transmitem os ensinamentos aos seus sucessores e poucas são as informações completas. Toma-se conhecimento, ainda que discretamente os cristais nas culturas Egípcias, Tibetanas e entre os Maias, com passagens falando de pedras de proteção aos Gladiadores em batalhas; Faraós enterrados com pedras de iluminação; Imperatriz que utilizava pedras em poções e cremes para aumentar a beleza e a fertilidade; Somados aos Magos e Alquimistas, que queriam cada um ao seu modo: o poder. Encontra-se, com mais facilidade referências a uma Grande Queda Cósmica e ao Mito dos Deuses Caídos.

Conta uma lenda que houve um tempo em que tudo era muito diferente do que é hoje. Era um mundo feliz, com energias sublimes vivendo em unidade e harmonia. Nele, nós éramos deuses. Um dia, houve a grande queda, causada por abusos e ganância, e tudo mudou. Os deuses caíram de seus tronos e a única maneira que encontraram de se perpetuarem neste novo tempo e espaço foi transformando-se em cristais. Assim as pedras puríssimas que conhecemos hoje como cristais são, na verdade, deuses caídos, que através dos cristais (pedras semipreciosas no geral) utilizam essa poderosa energia que acelera a evolução. Os deuses cristalizados querem voltar ao seu estado anterior à Grande Queda, e isso só ocorrerá quando a evolução do Universo alcançar um grau elevado. Por isso servem à vontade humana que os usam magicamente, fazendo o Espírito imperar sobre a matéria e, logo, impelindo a evolução. Assim, sendo o cristal um Deus, o que é projetado nele, pelo pensamento, surge no plano espiritual como uma ordem divina. O cristal transforma a projeção numa poderosa realidade astral que, rapidamente, realiza-se no mundo físico.

O manuseio de um cristal apenas aponta um quadro onde se inspirar para seguir a própria intuição, não há fórmulas a serem seguidas. A relação é direta com os Deuses. Só o que importa é a intuição, o sentimento e as sensações. Nesse momento a razão não quer dizer nada, porquê se racionalizar, não encontra explicação. Quando você estabelece a si mesmo que 2+2=4, está se impondo um limite racional. Mas quando você constrói mentalmente que 2+2=5 você está em harmonia com o Universo. Quem conhece as verdades invisíveis sabe que a realidade é dinâmica; relativa; que está em constante transformação, e evolui sem parar. A ilusão de Mundo é que determina coisas absolutas.

Tudo o que se pratica através de um cristal retorna um dia com força multiplicada para o utilizador da energia. Trabalhando com os cristais, ou seja, diretamente com os Deuses, podemos ajudar a humanidade na sua evolução, acelerando o processo. Dessa maneira quanto mais você ajudar ao próximo mais você será ajudado.

Como se pode observar, o tema é extenso. O objetivo é estudar as energias dos cristais como forma de ajudar os indivíduos na cura dos corpos físico, emocional, mental e espiritual. Esse trabalho é voltado para a sensibilização dos seres humanos à energia das pedras, o alinhamento dos chacras, relaxamento e equilíbrio mental, limpeza energética, enfim, há uma infinidade de aplicações possíveis com os cristais e todas são extremamente eficientes.

Seja qual for à intenção de cada um, se ela for para o bem maior dos envolvidos, certamente trará muitos benefícios tanto para quem aplica as energias dos cristais, como para quem as recebe.

Que este curso possa abrir as portas deste universo de conhecimentos e contribuir para a evolução de todos quantos deles se utilizarem.
Bjkasss e muito axé!!!
Lucília Meirelles